XX SIMPÓSIO DE FILOSOFIA

Datas do Eventos: * 05/10 - Conferência Título: Sentimento e valor em Edmund Husserl e Edith Stein: continuidade, convergências e novidades. Palestrante: Dra. Martina Korelc (UFG - Universidade Federal de Goiás) * 06/10 - Minicurso 01 - Título: Introdução prática à fenomenologia por meio da leitura da obra Uma investigação sobre o Estado de Edith Stein. Assessor: Dr. Juvenal Savian Filho (UNIFESP - Universidade Federal de São Paulo) Minicurso 02 - Título: Edith Stein leitora de Husserl e Tomás de Aquino, com base nos Textos sobre Husserl e Tomás de Aquino de Edith Stein. Assessora: Dra. Martina Korelc (UFG - Universidade Federal de Goiás) Minicurso 03 - Título: A identidade pessoal da perspectiva de Edith Stein: a influência do pensamento de Hedwig Conrad-Martius. Assessora: Dra. Clio Tricarico Mesa redonda - Título: O tema da essência singular segundo a filosofia de Edith Stein. Palestrantes: Dra. Martina Korelc (UFG - Universidade Federal de Goiás) Dra. Clio Tricarico * 07/10 - Conferência Título: A filosofia do ser de Edith Stein. Palestrante: Dr. Juvenal Savian Filho (UNIFESP - Universidade Federal de São Paulo) * COMUNICAÇÃO e DÚVIDAS: eventos@saoluiz.edu.br
Realização: 05/10/2022 19:15 até 07/10/2022 11:00
Inscrições de 20/07/2022 11:05 até 06/10/2022 12:00
Esta é a programação para este evento.



A conferência abordará a questão dos sentimentos e sua relação com valores em Husserl e Edith Stein. Sentimentos são vivências complexas, de diferentes estratos que na consciência se fundam um sobre o outro e pressupõem sermos afetados por algo no mundo. O que distingue atos de sentimento de outro tipo de atos conscientes é que eles revelam uma nova faceta do mundo: por eles nos são dados valores, eles possibilitam atos de perceber valor ou valorar, de apreciar, aprovar. A relação entre sentir e valorar é complexa e Husserl fez análises e distinções importantes neste campo do estudo da consciência. Edith Stein, conhecendo a pesquisa de Husserl, orientou a sua compreensão do fenômeno de afetividade e valores para reflexão sobre a formação humana. Os sentimentos devem ser educados, para que nos abram aos valores. O que é próprio dos sentimentos, diz Stein, é que eles não nos abrem apenas uma faceta do mundo, mas nos fazem sentir a nós mesmos. Os sentimentos são a capacidade que a pessoa tem de se abrir aos valores, de ser afetada por eles e reagir ou responder a eles, e esta capacidade define o caráter da pessoa. Além de distinguir, como Husserl, entre sentimentos e valores sensíveis e espirituais e de pensar assim uma hierarquia dos valores, Edith Stein também diferencia o modo como os eventos do mundo, os objetos e as pessoas, os valores, nos afetam, despertando em nós sentimentos mais baixos ou mais periféricos, e mais altos, ou aqueles que mais profundamente tocam o centro da pessoa; só aquilo que toca a pessoa na profundidade tem a força de a mudar, fazer crescer, abrir significados realmente mais importantes ou autênticos e motivar as ações, as respostas mais autênticas, mais maduras e responsáveis.
Palestrante: MARTINA KORELC
Tipo: Palestra
Horário: 05/10/2022 19:50 à 05/10/2022 20:50
Local: Auditório - Bloco G
Vagas Restantes: 185
Custo da Atividade: 12,00


Sobre o palestrante:

Professora associada da Universidade Federal de Goiás, atuando principalmente nos temas de fenomenologia, metafísica e ética. Possui graduação em Pedagogia Especial para pessoas Portadoras de Deficiência - Univerza v Ljubljani, Romênia (1991), bachalerado em Filosofia pela Universidade Católica Portuguêsa (1996), licenciatura em Filosofia pela Universidade Federal de Goiás (1999), mestrado em Filosofia pela Universidade Federal de Goiás (2001) e doutorado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul com o tema ?O problema do ser em Levinas? (2006). Fez o estudo pós-doutoral no Husserl-Archiv Freiburg da Albert-Ludwigs-Universität Freiburg (2010-2011).


O mini-curso destina-se a quem deseja iniciar-se nos estudos da filosofia fenomenológica de Edmund Husserl e de seus primeiros colaboradores, especialmente Edith Stein. Tomará por método a leitura da obra "Uma investigação sobre o Estado", de Edith Stein, porque a vantagem dessa leitura está em permitir visualizar a filosofia fenomenológica em ação. Essencialmente, a fenomenologia husserliana tem um caráter descritivo, e não interpretativo, como se fosse apenas mais uma interpretação de aspectos da realidade ou da realidade toda (sem deixar de implicar questões teóricas, para as quais se poderá apontar em função do interesse dos participantes). Por essa razão, em vez de oferecer mais uma teoria do Estado ou uma interpretação do que ele pode ser, Edith Stein, discípula fiel de Husserl até o fim de sua vida, procede a uma descrição da essência do fenômeno ao qual se costuma chamar de "Estado", o "Estado como tal", baseada sempre em experiências de formações estatais efetivas. Entre essas experiências, Edith indica aspectos de certo caráter polêmico para os hábitos mentais formados por concepções modernas do Estado. Por exemplo, ela nega a existência de um direito natural e defende que todo direito, apesar de possuir uma estrutura a priori, nasce e depende de cada Estado efetivo.
Palestrante: JUVENAL SAVIAN FILHO
Tipo: Minicurso
Horário: 06/10/2022 08:00 à 06/10/2022 09:00
Local: Auditório - Bloco G
Vagas Restantes: 186
Custo da Atividade: 12,00


Sobre o palestrante:

Professor de História da Filosofia no Departamento de Filosofia da Universidade Federal de São Paulo. Doutor em filosofia pela USP (?A metafísica do ser de Boécio de Roma?). Desenvolve pesquisas que se concentram em filosofias desenvolvidas na Idade Média (especialmente a obra de Boécio de Roma) e em formas do pensamento contemporâneo que mantêm relações de continuidade com filosofias medievais (sobretudo os inícios da fenomenologia e de modo particular o pensamento de Edith Stein e Karl Rahner). Responsável pela edição das Obras Completas de Edith Stein para a língua portuguesa. Coordenador do GT Edith Stein e o Círculo de Gotinga (ANPOF) e coordenador do Grupo de Pesquisa Edith Stein e o Círculo de Gotinga (Unifesp).


No minicurso estudaremos o confronto que Edith Stein faz entre a filosofia de Tomás de Aquino e a de Edmund Husserl, sobretudo a partir do ensaio publicado por ela em 1929, abordando os tópicos: concepção da filosofia e da ciência e sua relação com a fé, teoria do conhecimento, metafísica.
Palestrante: MARTINA KORELC
Tipo: Minicurso
Horário: 06/10/2022 09:00 à 06/10/2022 10:00
Local: Auditório - Bloco G
Vagas Restantes: 185
Custo da Atividade: 12,00


Sobre o palestrante:

Professora associada da Universidade Federal de Goiás, atuando principalmente nos temas de fenomenologia, metafísica e ética. Possui graduação em Pedagogia Especial para pessoas Portadoras de Deficiência - Univerza v Ljubljani, Romênia (1991), bachalerado em Filosofia pela Universidade Católica Portuguêsa (1996), licenciatura em Filosofia pela Universidade Federal de Goiás (1999), mestrado em Filosofia pela Universidade Federal de Goiás (2001) e doutorado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul com o tema ?O problema do ser em Levinas? (2006). Fez o estudo pós-doutoral no Husserl-Archiv Freiburg da Albert-Ludwigs-Universität Freiburg (2010-2011).


Uma das principais questões trabalhadas por Edith Stein acerca da pessoa humana consiste na autoformação de seu caráter. Segundo a filósofa, determinado por seu núcleo pessoal e condicionado pelas influências do ambiente em que está inserido, o indivíduo, ainda assim, é livre para moldar e mesmo alterar certos aspectos de sua personalidade, conservando, entretanto, sua identidade pessoal. Pretende-se mostrar que, nesse sentido, as análises steinianas encontram fundamentação fenomenológica em alguns elementos constitutivos do ser humano, tal como compreendidos por Hedwig Conrad-Martius.
Palestrante: CLIO TRICARICO
Tipo: Minicurso
Horário: 06/10/2022 10:00 à 06/10/2022 11:00
Local: Auditório - Bloco G
Vagas Restantes: 186
Custo da Atividade: 12,00


Sobre o palestrante:

Doutorado em Filosofia pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp - Bolsista CAPES), com estágio de pesquisa na Pontificia Università Lateranense (Itália) com o tema ?A identidade pessoal sob as perspectivas de Edith Stein e Hedwig Conrad-Martius: um estudo sobre a essência singular do indivíduo humano?; Mestrado e Bacharelado em Filosofia pela Universidade São Judas Tadeu (USJT - Bolsista CAPES). Membro do GT Edith Stein e o Círculo de Gotinga (ANPOF), do Grupo de Pesquisa Edith Stein e o Círculo de Gotinga (Unifesp) e do Grupo de Estudos em Fenomenologia (UFRGS). Membro do Comitê Científico da Edição Crítica em língua italiana das Obras Completas de Hedwig Conrad-Martius. Interesse no pensamento contemporâneo, em particular em Fenomenologia e Metafísica (Ontologia), com estudos sobre os pensamentos de Edith Stein, Edmund Husserl e Hedwig Conrad-Martius. Foco das investigações voltado para as questões referentes a identidade pessoal, consciência, sentido, ser, temporalidade e liberdade.


Procurar-se-á identificar, em linhas bastante amplas, a origem do problema filosófico implicado pela afirmação de uma essência singular. Se, por princípio, toda essência é universal e dá a identidade das espécies nas quais se dividem todos os entes (conforme as linhas fundamentais dos mestres do Ocidente Platão e Aristóteles), permitindo ainda dar a definição do ente justamente por situá-lo em uma espécie, parece um contrassenso falar de essência singular. No entanto, autores cuja obra ofereceu grandes contribuições ao pensamento ocidental, seja em filosofia, seja em teologia, em ciência, em arte etc., operaram com a concepção de essência singular. O caso certamente mais conhecido é o de Duns Scotus (e alguns estudiosos chegam a defender hoje que mesmo na obra de Tomás de Aquino é possível encontrá-la). É esse também o caso de Edith Stein e de sua colega e amiga Hedwig Conrad-Martius. Resta saber como escapam da acusação de contrassenso. Tal problemática também corresponde, no caso do ser humano, ao chamado problema do "princípio de individuação
Palestrante: JUVENAL SAVIAN FILHO
Tipo: Palestra
Horário: 06/10/2022 19:15 à 06/10/2022 19:45
Local: Auditório - Bloco G
Vagas Restantes: 185
Custo da Atividade: 12,00


Sobre o palestrante:

Professor de História da Filosofia no Departamento de Filosofia da Universidade Federal de São Paulo. Doutor em filosofia pela USP (?A metafísica do ser de Boécio de Roma?). Desenvolve pesquisas que se concentram em filosofias desenvolvidas na Idade Média (especialmente a obra de Boécio de Roma) e em formas do pensamento contemporâneo que mantêm relações de continuidade com filosofias medievais (sobretudo os inícios da fenomenologia e de modo particular o pensamento de Edith Stein e Karl Rahner). Responsável pela edição das Obras Completas de Edith Stein para a língua portuguesa. Coordenador do GT Edith Stein e o Círculo de Gotinga (ANPOF) e coordenador do Grupo de Pesquisa Edith Stein e o Círculo de Gotinga (Unifesp).


No exame da constituição da pessoa humana, Edith Stein denomina núcleo pessoal a essência de cada indivíduo, entendendo com essa noção o centro que determina o caráter peculiar de sua singularidade. Nesse contexto, pode-se considerar que núcleo e essência têm exatamente o mesmo sentido no que diz respeito ao princípio formal determinante de cada pessoa: a alternância entre os dois termos é feita apenas porque, na maioria das vezes, quando se fala de essência, pensa-se em algo geral e, nesse caso, Edith Stein se refere à essência de um único ser humano. A discussão procurará mostrar, portanto, que, em relação à noção husserliana de essência, a concepção de Edith Stein compreende, assim, uma diferença particular: seu caráter singular.
Palestrante: MARTINA KORELC
Tipo: Mesa redonda
Horário: 06/10/2022 19:45 à 06/10/2022 20:45
Local: Auditório - Bloco G
Vagas Restantes: 185
Custo da Atividade: 12,00


Sobre o palestrante:

Professora associada da Universidade Federal de Goiás, atuando principalmente nos temas de fenomenologia, metafísica e ética. Possui graduação em Pedagogia Especial para pessoas Portadoras de Deficiência - Univerza v Ljubljani, Romênia (1991), bachalerado em Filosofia pela Universidade Católica Portuguêsa (1996), licenciatura em Filosofia pela Universidade Federal de Goiás (1999), mestrado em Filosofia pela Universidade Federal de Goiás (2001) e doutorado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul com o tema ?O problema do ser em Levinas? (2006). Fez o estudo pós-doutoral no Husserl-Archiv Freiburg da Albert-Ludwigs-Universität Freiburg (2010-2011).


A expressão "filosofia do ser" é da própria Edith Stein e aparece nas obras em que ela revela maior maturidade no tratamento de questões metafísicas, sem deixar de conservar fidelidade à fenomenologia husserliana. Ela não procura "completar" a fenomenologia pela metafísica, porque a fenomenologia simplesmente não necessita de tal complemento. Ela também não vê, como faziam alguns autores de sua época (especialmente Jacques Maritain, de quem ela discorda com veemência), que a teologia seria como que a continuação "natural" ou "normal" da filosofia em geral nem da fenomenologia (até porque, neste último caso, não há fenômeno do ser ao qual se costuma chamar de "Deus"). Em outras palavras, para Edith Stein, não há metafísica que coroe ou fundamente a fenomenologia, nem teologia que leve o conhecimento filosófico a algum ápice, o que, todavia, não significa negar vínculos entre fenomenologia e metafísica, bem como entre filosofia e teologia. Não era o que ocorria, porém, em termos tradicionais no século XIX e início do século XX, sobretudo de tipo neotomista ou neoescolástico. O interesse de Edith Stein, reafirmado por ela diversas vezes, era dialogar com a filosofia moderna, principalmente a filosofia crítica cartesiano-kantiana, mostrando que um pensamento que considera a experiência total da pessoa humana (incluindo a religião, e não a relegando ao campo da mera opinião privada) era legítimo e necessário. Assim, uma "filosofia do ser" consistirá na expressão de seu modo de descrever a experiência humana que chega a ser um perfectus opus rationis, obra acabada da razão, segundo a expressão de Tomás de Aquino, que ela assume e transfigura.
Palestrante: JUVENAL SAVIAN FILHO
Tipo: Palestra
Horário: 07/10/2022 08:45 à 07/10/2022 09:45
Local: Auditório - Bloco G
Vagas Restantes: 185
Custo da Atividade: 12,00


Sobre o palestrante:

Professor de História da Filosofia no Departamento de Filosofia da Universidade Federal de São Paulo. Doutor em filosofia pela USP (?A metafísica do ser de Boécio de Roma?). Desenvolve pesquisas que se concentram em filosofias desenvolvidas na Idade Média (especialmente a obra de Boécio de Roma) e em formas do pensamento contemporâneo que mantêm relações de continuidade com filosofias medievais (sobretudo os inícios da fenomenologia e de modo particular o pensamento de Edith Stein e Karl Rahner). Responsável pela edição das Obras Completas de Edith Stein para a língua portuguesa. Coordenador do GT Edith Stein e o Círculo de Gotinga (ANPOF) e coordenador do Grupo de Pesquisa Edith Stein e o Círculo de Gotinga (Unifesp).



Voltar